Tesão do homem moderno depende de “quantidade”

Para garantir potência sexual plena e constante, macharal precisa estar sempre sendo excitado e trocando de mulher a cada instante (muitas mulheres), pois se tiver só uma ou uma por muito tempo, não levantará mais e se levantar, ejaculará cedo demais.

pugilista-cheio-de-mulheresUma descoberta impressionante bateu à porta de pesquisadores autodidatas da sexologia e, embora com as reservas de proteção de menores e da solicitação de anonimato das fontes, este Site vem de divulgar uma de suas estarrecedoras conclusões, e escolhemos a mais palpitante; a saber, a de que o tesão (ou potência sexual) do macho mundano moderno não passa de um gatilho mental danificado, que o obriga a sentir desejo não pela qualidade da mulher, mas pela quantidade de mulheres e imoralidades propostas por aquelas que se arriscam a dormir com ele.

E esta história nem é desconhecida, a rigor, pelo homem aqui referido. Passa-lhe despercebida por causa de sua correria profissional, por causa de seu cansaço existencial ou por causa de sua “embriaguês” sexual, que é aquilo que o deixa literalmente hipnotizado pela onda erotizante da Mídia, que destruiu toda a privacidade do sexo e ofereceu um desejo doentio, não o desejo normal (criado por Deus antes de Adão e Eva pecarem) que busca a felicidade do cônjuge, e não apenas o seu prazer pessoal ou da mulher que aceitou transar com ele.

Na alvorada da Criação deste planeta, Deus estabeleceu o sexo como modus faciendi da procriação (o nome procriação deve ser entendido como “pró-criação”, isto é, ajudar a criar mais seres humanos, como objetivo final e maior do sexo) e com esse pensamento adicionou a ele uma série de requisitos para a sua fisiologia correta, dentre os quais se encontravam:

como-o-homem-pode-resgatar-seu-papel-inspirar– O desejo não seria constante; Pelo contrário, só surgiria quando a mente consciente, levada ao justo descanso de um dia de trabalho (o trabalho na época cansava mas não irritava), e após uma hora de intimidade com Deus, recebia dEle algo como uma permissão para galgar o infinito da Trindade, e com isso o desejo de união carnal aparecia sublime e simultaneamente no casal em oração, e ao final desta oração os corpos se uniam “quase sem querer”, inundados apenas pela luz divina que iluminava um mundo sem energia elétrica.

– Neste clima de culto especial da Trindade triplificada pela trindade humana do homem e da mulher, o orgasmo muitas vezes nem era produto de ejaculação (na época tanto o homem como a mulher ejaculavam – dizem que ainda hoje há mulheres que ejaculam), e sim, do extremo prazer da comunhão tríplice, implodida em ondas avassaladoras de gozo mental consciente e subconsciente, cuja intensidade era tão avassaladora que fazia os dois esquecerem, literalmente, que seus corpos ejaculavam quando gozavam.

– E tudo isso depois do ato compunha uma memória tão vívida e completa que suas lembranças de cada cópula perduravam pelo ano inteiro, e por isso o casal nem sentia necessidade de copular outras vezes durante o ano, mas cada vez que o faziam havia uma avalancha de sensações orgásticas estonteantes e crescentes, quanto mais comunhão gozavam com o Senhor e Salvador de suas vidas.

frase-de-hermann-hesse-para-inspirar– E mais e melhor, era o resultado prático das cópulas imaculadas: eles se sentiam a cada dia mais felizes com suas vidas vividas na intimidade com Deus, e suas mentes perfeitamente sadias lhes proporcionavam a felicidade eterna que a Humanidade perdeu ao ceder à Tentação (a qual outrora se via muito menos tentadora diante do infinito prazer que eles gozavam sem a mentira do inimigo, ao passo que agora eles se veem muito mais fracos para vencê-la diante do estrago causado à memória e ao subconsciente viciado após milênios e milênios da Queda Adâmica).

– Como eles tinham todo controle mental antes da Queda, nenhuma relação sexual redundava em procriação, exceto se assim o desejassem, porque tanto o homem tinha poder para sustar em sua ejaculação os espermatozóides férteis, quanto a mulher podia reter em seu corpo os óvulos como vitaminas reaproveitáveis pelo organismo feminino. Este era um dos maiores poderes que eles tinham e que foi perdido com a desobediência, gerando homens incapazes de transar sem o risco de fecundar um óvulo, e mulheres incapazes de impedir a descida de um óvulo fértil.

– Todavia, como eles eram os primeiros pais racionais após a longa linhagem de primatas de onde saíram, eram eles os responsáveis por povoar a Humanidade com a inteligência falante do espírito, e por isso jamais utilizaram aquele “poder de infertilizar a cópula” e tiveram de fato muitos filhos, cada um nascendo após cada coito anual ou após as cópulas estimuladas pela comunhão divina.

adao-eva-e-a-serpente-em-transp– Neste contexto imaculado pré-Queda, o leitor já viu que o desejo sexual nem de longe se parecia com o desejo atual do homem e da mulher depravados por milhares de séculos de depravação, e a própria potência sexual do homem estava condicionada aos resultados da comunhão espiritual com Deus, e não à visão da nudez ou à imaginação sexual promíscua, e não à lascívia do homem em face de atitudes sensuais da mulher. Neste sentido, o tesão estava protegido pela privacidade da intimidade com Deus, mantendo-se autoimune e autoexecutável sem qualquer exercício exterior, operado automaticamente como uma resposta ao desejo suscitado pelo prazer de unir-se a mente à Trindade que os visitava em muitas noites do ano.

Enfim, com o desastre da Queda, todas essas faculdades excepcionais da mente foram perdidas, e o tesão passou a ser produto apenas do que restava da saúde física, e a cada dia o desejo sexual ficava dependente da visão da nudez, da sensualidade e da imoralidade. Isto significava a cada dia menos tesão, e assim a Humanidade foi levada a inventar fórmulas cada vez mais depravadoras das almas, pois se estas tendessem à santidade (como Deus sempre quis), corriam o risco de não sentir desejo, e por isso este passou a ser sempre o oposto da santidade.

sensacional-frase-sobre-escolha-de-ricacoEstava aberta a temporada de caça e todos os exércitos inimigos passaram a distribuir fórmulas cada vez mais sensualizantes e depravantes das almas, incluindo a promiscuidade, a infidelidade, a exposição pública da nudez e a prostituição (ou seja, a troca do prazer efêmero pelo ganha-pão). Uma vez isto posto, a mente humana ficou cada vez mais dependente daquelas fórmulas sensuais para levantar o pouco tesão que restava da Queda (só restou o tesão do instinto), e por isso a Humanidade caminha cada vez mais para a nudez pública, a promiscuidade e a sodomia.

Por tudo isso, não estaria inapropriado declarar que o macho moderno, a rigor, não tem tesão de jeito nenhum, pois este não tem mais os mecanismos transcendentais da comunhão íntima com Deus, e está agora sempre na dependência da nudez desavergonhada, da insinuação de coisa proibida, da coragem ou ousadia imoral da mulher, da fantasia de imaginar sexo sem qualquer compromisso sério, da lembrança de intimidades lúdicas da infância e adolescência não proibidas pelos pais igualmente depravados, enfim, de um purrilhão de quinquilharias que ajudou a enricar os donos de fábricas de produtos eróticos!

frase-otima-cegueira-voluntariaEis porque todo macho moderno, no fundo de sua insinceridade, nutre o desejo secreto de ter várias mulheres nuas na sua cama, pois agora não tem mais a potência qualificada, ou seja, o tesão da qualidade e não da quantidade! Poder-se-ia até ir mais longe e dizer que aqui está a razão mais sórdida e subliminar de 99% de todas as separações e divórcios: o macho moderno não consegue mais manter o seu tesão por uma só mulher a vida inteira, e por isso o Matrimônio Cristão (o “Casamento-a-Três”) está tão démodé nos tempos atuais, e só as “pobres moças” ainda sonham com ele, como a sentir uma estranha e longínqua saudade do Paraíso. Isso também ajuda a explicar a quantidade incontável de traições e amantes em todos os 4 cantos do mundo, e a mulher talvez nem desconfie de que o cara tão tesudo com quem se casou era impotente, se continuasse com ela a vida toda! Ela jamais pensou que um dia ele iria precisar ver outras bundas e vaginas para se “animar”…

Finalmente, o leitor pode perguntar: este problemão tem solução? Bem; do ponto de vista físico, creio que é um problema sem solução, pois o macho mundano passou tantos séculos exercitando um tesão falso, que agora não consegue mais voltar à circulação sadia de sangue erótico por suas veias. Do ponto de vista espiritual, creio que os homens que conseguiram corrigir alguma coisa dentro de si se tornaram “castos”, ou monges, ou padres honestos, ou então nunca demonstraram, para todas as mulheres que um dia possuíram (e foram pouquíssimas!), qualquer inclinação mais desesperada pela ejaculação, e com isso até as espantaram! Sim, eles devem ser homens muito raros e especiais, quase uma mistura de eunucos e santos, e raras mulheres gostariam deles! Para nós cristãos, que conhecemos o padrão bíblico da santidade, aqueles homens refletem para nós, exemplarmente, a luz que Deus quis que todo mundo refletisse, e que a modernidade apagou sob toneladas de corpos nus.

 

Sobre John Valente

Prof. John Valente - Especialização: relacionamento conjugal cristão; Formado em Administração de Empresas e Teologia, especializou-se em Ciências da Religião, e participou de diversos cursos e treinamentos na área de relacionamento conjugal, inclusive o Seminário de Relacionamento Afetivo da “Agência de Casamento” que lhe apresentou à sua esposa.
Esta entrada foi publicada em Casamento. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code