O valor transcendental do paladar humano e do prazer de comer

São tantas as derivadas e possibilidades de insucesso no desenrolar da saúde interior de cada corpo humano, que Jesus analisou e decidiu simplesmente pedir que NÃO NOS PREOCUPÁSSEMOS com o futuro, nem mesmo com o que havemos de comer ou beber.

Prazer de comer-3Estamos numa época em que todo mundo está preocupado com o futuro da saúde humana, seja no plano individual ou no coletivo. Milhões de dólares ou talvez bilhões estão sendo gastos atualmente para que cada indivíduo procure se alimentar desta ou daquela maneira (cada maneira se julgando melhor que a outra), visando garantir o que chamam de maior qualidade de vida e um futuro com saúde, sem os quais, alegam, a vida é um sofrimento ininterrupto.

Alimentação natural-1Para tanto, temos à nossa primeira vista o arsenal de propagandas “especializadas”, sejam elas oriundas da própria Medicina ou de técnicos ligados a médicos e/ou laboratórios, nos dizendo o que devemos comprar de complementos alimentares, suplementos energéticos, complexos vitamínicos, produtos orgânicos, derivados de vegetais, alimentos e fármacos fitoterápicos, enfim, uma verdadeira parafernália de informações que chegam à nossa mente todos os dias, todas com o “santo propósito” de nos fazer ter saúde – ou mais saúde – ou fortalecer nosso sistema imunológico, como se ninguém mais pudesse viver sadio uma longa vida sem ter os cuidados sugeridos pela pós-modernidade.

Todavia, quando nos lembramos que até recentemente (até meados da década de 50), a Humanidade continuava vivendo sua vida tranquila, muitas vezes longeva, e não tinha indicação de todas essas propagandas para garantir sua saúde, ficamos a pensar se não estaríamos hoje em dia a sofrer uma tremenda ironia comercial dos tempos modernos, a saber: que a própria preocupação com a saúde, ou a chamada “ditadura do culto ao corpo”, não seriam elas mesmas o grande perigo de desestabilizar o equilíbrio mental que garantia vida longa aos nossos tataravôs, ao invés de estarem gerando os supostos benefícios alardeados? Vai ver trocamos os dedos pelos anéis…

Velho ungindo jovem-1Ora, quando nos entregamos a Cristo e procuramos seguir a Palavra de Deus para nossas vidas, o que constatamos pela teologia cristã é que os povos antigos eram bastante longevos (a Bíblia fala de gente que viveu até acima de 200 anos!) e bastante saudáveis, pois muitos deles tinham filhos na velhice – inclusive mulheres –, caminhavam por léguas sem fim, cuidavam de rebanhos já idosos, reinavam com braço de ferro e até assumiam, muitas vezes, duras missões militares longe de suas terras! Ora, pensemos: como aquela gente poderia ser tão forte sem comprar todos os saudáveis produtos da Medicina moderna? Ou será que para os modernos a Bíblia não merece confiança, e tudo aquilo não passa de lorota? (Infelizmente, esta última hipótese é a preferida dos que se surpreendem com a saúde dos personagens bíblicos – por isso este artigo deve ser direcionado a cristãos).

Com efeito, devia haver algo mais nos povos antigos para eles viverem tanto tempo e tão sadios em suas longínquas eras. E de fato havia. Preste atenção.

O Homem foi criado com todos os poderes mentais ativos, podendo utilizar até 100% de sua mente, enquanto durasse a sua amizade com Deus. Assim, enquanto o Homem não cometeu a loucura de romper a amizade com Deus, ele jamais adoecia, ele tinha muitos séculos (e não anos) para gozar a sua longa vida, e também jamais pensava em saúde e muito menos em doenças. Este é o retrato do Homem primitivo, antes de Adão e Eva “enlouquecerem” e se venderem por uma falsa liberdade (eles de fato “gozavam” bem na vida sadia, e por isso sua união era um “casamento-a-três” bem curtido).

Adão e Eva expulsosPorém, mesmo depois da loucura da Queda, e devido ao estado primitivo de pureza da Natureza e da Atmosfera, a saúde humana ainda era portentosa, e muitos homens viveram séculos, e poucas doenças e epidemias eram registradas, exceto aquelas encomendadas por Deus contra os inimigos de seu povo.

Dentre os benefícios da amizade com Deus e do cérebro íntegro, uma das vantagens era o “termômetro” da saúde ativado pelo paladar e pelo prazer, o que por si só corresponde a uma vida longeva, pois se alguém sente prazer em tudo que faz, o mais provável é que não tenha preocupação alguma, estresse algum, e isto é o estopim da saúde perfeita. Além do mais, se seu próprio paladar lhe indicava quais comidas comer e quais bebidas beber, e estas eram precisamente aquelas que iriam fazer um bem enorme ao seu sistema imunológico, então o Homem só comia o que lhe dava prazer, e assim o ciclo vicioso da saúde se reproduzia e se reforçava em cada colherada e em cada gole, gerando qualidade de vida e longevidade!

Agora sim, pode-se dizer, parece loucura, mas não é. É para nós, que estamos tão longe daqueles tempos mágicos que achamos exagero pensar que a saúde integral pudesse existir plenamente, pela simples inspiração da vontade e dos prazeres físicos! Mas para quem crê na Palavra de Deus, a vida regida com este nível de liberdade e poder mental pode ser traduzida como “paraíso perfeito”, e era este o destino dado aos homens, e que agora está reservado apenas aqueles que recuperarem, num planeta doentio, a amizade com o Deus a quem rejeitaram! É óbvio que o ambiente patológico da Terra dificultará muito a nossa recuperação, e por isso foi preciso o próprio Deus, o médico dos médicos, vir à Terra para ensinar de novo o como ter bom caráter.

deus-dinheiro1Então vale perguntar: onde e como as coisas mudaram??? Mudaram a partir do momento em que o mundo passou a idolatrar o deus-dinheiro, e com isto a “máquina de venda apressada” tomou conta de tudo, e obrigou os empresários e suas empresas a empurrar produtos de qualquer modo, mesmo que eles não fossem necessários. O mesmo se deu na indústria de remédios e serviços de saúde: era então preciso fazer todo mundo acreditar que sua saúde e sua qualidade de vida na velhice dependiam de suas compras de produtos naturais e exercícios físicos, e por isso a mídia teve papel preponderante no atual quadro de manipulação mental das massas, em busca da ilusão de combater o envelhecimento e as deficiências imunológicas naturais de cada vida humana, nascida num universo agora sujeito à entropia.

Mas então, voltando à solidez da verdade bíblica, o que diz a teologia cristã sobre tudo isso? Ora, mesmo que todas as análises da Medicina moderna estejam corretas na previsão de doenças futuras, são tantas e tão complexas as derivadas e possibilidades de insucesso no funcionamento da saúde interior de cada corpo humano, que Jesus analisou e decidiu simplesmente nos pedir que NÃO NOS PREOCUPÁSSEMOS com o futuro, nem mesmo com o que havemos de comer ou beber, pois do amanhã o próprio Deus cuidaria (e por isso estava na própria “Regra da Criação das Almas” a proposição de que o paladar humano seria ele mesmo o melhor caminho para promover a saúde do corpo, pois ele pelo menos gera o prazer de comer, e este prazer alivia o estresse e robustece o Sistema Imunológico, i.e., o prazer de comer – de viver e de ter todos os outros prazeres – é a força interior para vencer todos os germes invasores e moléstias oportunistas).

comendo-com-os-olhosIsto é, que se cada um de nós simplesmente vivêssemos nossa vida tranquila e sem pensar em saúde, comendo e bebendo apenas aquilo que nos dá prazer, esta seria a fórmula do próprio Deus para garantir nossa longevidade com qualidade de vida, pois até a nossa morte seria como que de súbito, sem a triste atrofia do estresse, do medo e da depressão que acompanham almas preocupadas com o que devem comer ou beber. E esta morte, diz a Bíblia, seria até “agradável” aos olhos de Deus, pois para Ele preciosa é a morte de seus santos (Salmo 116,15). Moral da história: É melhor morrer uma morte súbita depois de uma vida tranquila e sem estresse, do que viver uma vida longa no medo e na depressão, gastando os tubos de dinheiro para se alimentar apenas com as coisas ditas “sadias” pela Medicina mercantilista (coisas que nem dão prazer!).

Foi esta a opção de Deus para a alma humana, e Jesus disse: “Louco! Hoje te pedirão a tua alma: o que tens preparado para quem será?”. Era como se o mestre estivesse dizendo: “Hoje te pedirei a tua alma, e o que tens comido de vegetais e medicina natural em que te ajudarão?”. Isto é uma bofetada, sem dúvida, mas Jesus foi ainda mais óbvio e contundente quando disse, explicitamente, que “nada que entra pela boca contamina o homem, e sim o que sai de sua boca”, deixando claro que nós podemos comer DE TUDO nesta vida, e que a preocupação com vegetais e alimentação natural não passa de uma falácia que danifica, paulatinamente, o equilíbrio mental e o sistema imunológico.

Sobre John Valente

Prof. John Valente - Especialização: relacionamento conjugal cristão; Formado em Administração de Empresas e Teologia, especializou-se em Ciências da Religião, e participou de diversos cursos e treinamentos na área de relacionamento conjugal, inclusive o Seminário de Relacionamento Afetivo da “Agência de Casamento” que lhe apresentou à sua esposa.
Esta entrada foi publicada em Casamento. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code