O casal certo para o “Casamento-a-Três*”

Uma vez conhecidas as qualidades individuais do homem e da mulher para a realização de uma boa relação a dois, é de grande valia explicitar as qualidades de um casal para consecução de um “Casamento-a-três*”.

Casal perfeito-6No mundo funciona uma espécie de “seleção natural”, algo que inicia assim que começamos a ter consciência e desejo de formarmos uma família. Contudo, nem todos os relacionamentos que iniciamos dão certo, e alguns até, quando os dois são crentes, servem apenas para ajudá-los a crescer em espiritualidade, sociabilidade, fidelidade, enfim, melhorar o seu caráter; afinal de contas, Deus fez o mundo justamente para que os pecadores pudessem aprender com seus erros para não repeti-los, ajudando outros também a ver onde precisam se corrigir.

Com efeito, por mais desanimados que fiquemos na procura inconfessa de sua alma gêmea, no fundo sempre existirá aquela luz de esperança a respeito da pessoa certa que tanto sonhamos em segredo, aquela que vem para acalmar todas as nossas ansiedades.

E mais, às vezes somos tão obcecados por achar tal pessoa que nem nos damos conta de que, a rigor, não existe uma “pessoa certa” neste mundo, e que na realidade nós é quem precisamos ser a pessoa certa para alguém que nos espera em oração e expectativa (cumprindo a regra áurea de “fazer para os outros o que queremos que os outros façam para nós” caminharemos para o estado ideal de convivência humana, base do “Casamento-a-três”). E isso é assim mesmo, como se fosse uma constatação meio “piegas”, mas a verdade é que ninguém é “certo”, ninguém é justo, ninguém é bom (conforme afirmou Paulo em Romanos 3,10-12), e tudo o que Deus espera de nós é que sejamos as pessoas certas para o bem de nosso próximo. Se conseguirmos ser pelo menos isso, já teremos feito muito.

Mas como conseguir tal feito? Se eu não soubesse que estou falando para crentes, diria que esta pergunta é uma baita ignorância, embora saibamos pela Palavra de Deus que, por mais esforços que envidemos na intenção de sermos bons, dificilmente o alcançaremos nesta vida, cabendo a Deus a limpeza final de nossa alma (isto SE LHE dermos liberdade de ação para lavar nosso âmago), geralmente comprometida com certas práticas que tornam tudo mais difícil.

Queda em galão de tintaNo fundo tudo parece muito “simples”: basta não nos esquecermos de que somos nós mesmos quem complicamos a nossa vida; somos nós quem procuramos respostas para perguntas que nem deveriam ser feitas; somos nós quem desejamos algo que não vem de Deus, e assim quase sempre nos mantemos marcando passo, ou simplesmente desestugando a marcha e claudicando até uma nova queda. Esta é frequentemente a tendência porque nos acostumamos a fazer a nossa vontade, e não a de Deus.

Porquanto a vontade de Deus quase sempre está fora de nossa aceitação, e todos nós estamos neste mundo como inquilinos ou administradores, aprendendo a usar o tempo que o Senhor nos concedeu do modo mais próximo possível da instrução do Evangelho, e, uma dessas formas de crescermos na fé é compartilhar a vida com outra pessoa no “Casamento-a-Três”. A escola da vida, criada por Deus, jamais espalha a sabedoria sem atingir o seu propósito, tal como a Palavra de Deus nunca volta vazia. Assim, em todos os relacionamentos que tivemos com outras pessoas, sempre aprendemos algo que nos deixou um pouco melhor, ou nos deixou mais lúcidos para administrar os problemas que o amanhã vem trazendo.

Gaiola de ratos-3Ipso facto, acabamos percebendo, ao observarmos bem a vida, que pessoas ditas “inocentes” acabam sendo alvos fáceis de sentimentos destrutivos que um dia passaram por nós como rolos compressores. Por isso a experiência na “escola da vida” nos ensina que todos os relacionamentos neste mundo são difíceis (afinal estamos numa gaiola planetária cheia de ratos com livre-arbítrio e pior, que se acham a última coca-cola no deserto) e que muitas vezes somos nós os responsáveis pelo sucesso ou insucesso dos outros.

Portanto, este artigo não se esquivará de dizer que, aqui neste planeta pecaminoso, não existe esta história de “pessoa certa”! Existe a pessoa que pode vir a se tornar melhor a cada dia, desde que conte com uma ajuda dupla, isto é, que ela seja auxiliada na melhoria de sua fé e de sua espiritualidade (aqui a sua vida de oração é o grande segredo), ao mesmo tempo em que também esteja “no batente pesado” de uma transformação consentida e profunda, operada pela convivência com a igreja, o seu pastor, um amigo de confiança ou seu próprio cônjuge. Estando sempre aberta a bons conselhos morais, qualquer alma pode melhorar bastante, e Deus ajudará a quem tiver esta boa intenção. Você se lembra que Paulo pediu para não nos conformarmos com este século, mas que deveríamos nos transformar interiormente pela renovação do nosso entendimento? (Rm 12,2). É isso aí!

Casal de ETs se formando G RedhawkEnfim, com isto em mente, um meio plausível de encontrarmos “a pessoa certa” é deixarmos de lado nossas fantasias e nossa mania de “inventarmos um amanhã”, no qual a nossa vontade é que tenha prevalecido. Ora, o amanhã a Deus pertence e ele, a rigor, se faz e se refaz no agora, no hoje! O futuro é apenas o resultado do que fazemos hoje, da mesma maneira que a pessoa certa é aquela que ajudamos a se tornar a pessoa certa para nós. Os/as pretendentes que Deus enviar para nossa apreciação – no bom sentido – não chegam simplesmente em nossas vidas ocupando todos os espaços e tarefas necessárias! Elas vão se ajustando a nós com o passar do tempo e com as “instruções” que precisam conhecer para serem melhor a cada dia (isto, é óbvio, também vale para a atitude delas a nosso respeito).

Isso é como a felicidade que tanto desejamos no início do relacionamento: Tudo ali é felicidade, pois naquele momento vivemos a ilusão de um amanhã sem qualquer ameaça; porém, quando prosseguimos a vivê-lo, vamos percebendo os perigos que nos cercam, as obrigações chatas que aparecem, as preocupações – que vão tomando o lugar da felicidade – e a realidade que vai cobrando o seu preço, às vezes com juros e correção monetária!

Finalmente, a moral da história deste texto são apenas duas dicas para que seu casamento tenha sucesso e siga em frente, até que a morte o transfira para o Reino de Deus:Timão de Timoneiro-1

  • Seja você mesmo(a) a pessoa certa na relação, e nada mais!: Se você se preocupar apenas com seus próprios defeitos, pode apostar que seu/sua parceiro(a) com certeza irá melhorar com o tempo (se é que havia nele/nela algum problema detectável pelo seu olhar, que nem sempre é nítido como o olhar de todos nós para a mente humana), pois sua atitude “auto-evolutiva” ficará patente aos olhos dele/dela, e isto o(a) estimulará a melhorar também (pode apostar);
  • Grave bem: A felicidade não é gratuita! Ela é uma dádiva de Deus, e uma dádiva que temos que fazer por merecer! Por isso, lute por sua felicidade e não se esqueça de que nós somos os únicos responsáveis pelo nosso destino. Deus é apenas o criador e o diretor do estaleiro: nós é quem somos o timoneiro do barco da vida!
(*) O Ca3 hoje faz 9 meses de atividades ininterruptas, visando atender ao crescente número de jovens evangélicos “sem rumo”, para decidir pelo casamento ou por uma vida casta aos pés de Jesus.

 

Sobre John Valente

Prof. John Valente - Especialização: relacionamento conjugal cristão; Formado em Administração de Empresas e Teologia, especializou-se em Ciências da Religião, e participou de diversos cursos e treinamentos na área de relacionamento conjugal, inclusive o Seminário de Relacionamento Afetivo da “Agência de Casamento” que lhe apresentou à sua esposa.
Esta entrada foi publicada em Casamento. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code