Entendendo a Mulher: “Le Gran Femina Codex”

As últimas pesquisas na “Teologia da Feminilidade” deixam evidências cada vez mais sólidas na certeza de existir, na alma da mulher, uma linguagem cifrada que elas mesmas lutam para decifrar, e esta linguagem pode explicar porque elas se consideram um “bicho complicado de satisfazer”.

Código de barras da MulherE isto não tem nada a ver com a dificuldade de atingir o orgasmo ou outras invencionices típicas do machismo moderno, sendo muito mais um bloqueio psicológico adquirido na fase chamada “infância roubada” (moças que perderam sua idade lúdica de brincar de contos de fadas) ou na “adolescência desorientada”, quando as jovens, recém-saídas da infância, foram levadas, pela Televisão e pela sociedade hedonista, a entrar na fase adulta sem qualquer preparo emocional.

Na verdade não há “o bicho complicado de satisfazer”. Há sim a Alma da Mulher, principal autora e ao mesmo tempo vítima da destruição de seu papel no Reino de Deus, e a subsequente desmontagem da estrutura psíquica da “companheira idônea do Homem”, perdendo a paz interior exclusiva da harmonia para com a vontade de Deus.

Pode-se perguntar aqui se tal coisa não teria ocorrido exatamente igual na mente masculina (?). O Homem, enquanto macho e missionário do lar, também teve sua consciência flagrantemente desequilibrada na relação com a Mulher, pois sua desobediência a Deus trouxe como efeito colateral a exacerbação de seus instintos mais primitivos, passando a senti-los como analgésico e compensação para enfrentar as “angústias da noite sem Deus”.

Muitas crianças juntasTodavia, pode-se argumentar que, uma vez que a reprodução da espécie estava numa das missões mais nobres da natureza anterior à Queda, o Homem a rigor não teve a mente fragmentada por inteiro, precisando prioritariamente de um freio espiritual na sua consciência, alcançado pela prática da Moral cristã. Ao passo que a Mulher, tendo a missão de auxiliadora idônea como prioritária, desequilibrou-se por inteiro ao pesar, dentro de si, o valor que o Homem passou a dar ao sexo e o descaso que ele passou a ter para com as tarefas domésticas de ajuda à Mulher, que a partir de então jamais conseguiu descobrir qual dos dois papéis era mais valorizado pelo Homem (e pior, a modernidade – sob ordem do machismo – apontou para o sexo e a convenceu de que ali estava o seu grande valor!). Resultado: nunca mais a Mulher equilibrou-se e nunca mais constituiu-se na segurança de sobrevivência do Homem, deixando a sociedade inteira insegura.

Por tudo isso, o grande drama da Humanidade decaída é justamente reconstruir a paz entre os sexos, a qual tem que começar pela reconquista da segurança interior da Mulher, que precisa prioritariamente do mais qualificado autoconhecimento que sua vida atribulada na modernidade vem impedir. É este o retrato do mundo atual, e portanto constitui agora um megadrama de comunicação, quando não há nem mesmo autoconhecimento entre aqueles que querem a difícil missão de viver juntos.

Se ninguém conhece bem a si mesmo, e se a Mulher passou a ser “uma desconhecida para si mesma”, então está explicado a ideia popular do “bicho complicado” que elas, já cansadas de fingir, assumiram sem rodeios. Logo, urge uma “revolução psicomoralizante” na história da pós-modernidade, antes que a próxima fase da História seja mesmo o fim para onde a lógica aponta. E neste mister, entender um ao outro (homem entender mulher e mulher entender homem) precisa estar inserido no centro de todas as políticas sociais dos governos e nos tratamentos psicoterápicos, enquanto perdurar a cegueira recíproca das almas.

Medicina da alma-4Isto tudo demanda uma nova linguagem e uma nova comunicação, como também uma nova Medicina, que contemple a parte mais negligenciada em todos os tratamentos, a saber, a espiritualidade. E só esta pode ir além da auto-ignorância e traduzir o mistério do espírito, descobrindo enfim o “Le gran femina codex” (O grande código feminino), que elas próprias ainda não sabem decifrar com segurança (para esta tarefa elevada, a Medicina em lato senso deveria requerer o auxílio de um padre ou pastor, pois só quem conheceu a dimensão da transcendência pode ajudar a espiritualizar uma mente que há muito esqueceu sua alma).

Com efeito, uma vez que uma Mulher se autodescubra por inteiro, o Homem que ela cativar a conhecerá melhor e poderá fazê-la mais feliz, sendo ele mesmo mais feliz com a segurança por ela ensejada. Tratar-se-á então de uma linguagem superior, pois decifrará coisas que nenhum alfabeto terrestre contempla, e ela deixará de ser um “Código”, pois códigos decifrados não são mais códigos.

Seu valor é seu corpoMas, enquanto tal “tratamento” não vem, como conquistar um ser tão complexo na forma de se comunicar como a mulher? Ora, o Código Feminino, como vimos, é difícil de ser alcançado, porque elas próprias ainda não se autodecifraram, e também porque as mulheres “ao natural” são muito diferentes entre si. A mulher espiritual ou toda mulher espiritualizada carrega o perfume de Cristo e isto as torna relativamente “iguais” entre si, facilitando a confiança das outras e principalmente dos rapazes cristãos.

Isto prova que se alguém está em Cristo, deve procurar quem também esteja nEle, pois todos os atropelos e embaraços da paquera mundana desaparecem num ambiente governado pelo Espírito de Deus. Mas até para o mundo, existem regras espirituais que podem facilitar as coisas. Senão vejamos:

O primeiro passo é saber sobre algumas palavras-chave no jogo da paquera. I.e., na maior parte do tempo as mulheres não costumam dizer as coisas diretamente [vejam como a complicação começa, e como é o contrário do que ocorre numa Agência de Casamento (como a “Casamento-a-Três”)]. Veja: Quando uma moça vem e diz: “acabou o perfume”, o homem, em sua cabeça masculina, pensa: “acabou o perfume, e pronto”.

Código Secreto da mulherPorém, na verdade, o que ela estava querendo dizer era: “nosso aniversário de namoro está chegando… você pode escolher como meu presente este mesmo perfume, que já acabou porque uso muito… e se uso muito é porque gosto dele…”. Você viu a estratégia? Viu como a mente feminina trabalha “sinistramente”? Não se engane: as mulheres são assim, desde Adão e Eva! Você poderia dizer que foi uma estratégia interesseira e egoísta, e não teria se enganado de jeito nenhum. O egoísmo foi um dos males que fragmentou a mente humana na Queda adâmica!

Pior, além de uma palavra valer por mil, também nas mulheres há palavras que dizem exatamente o contrário do seu significado “dicionarizado”. Por isso, até já foi criado um “Dicionário Feminino” (“Dicionário de Códigos da Mulher”), que é mundano, mas ilustra bem esta verdade. Veja aqui algumas expressões desse dicionário:

Legal – Esta é a palavra que elas usam para terminar um argumento quando elas sentem que estão certas e você precisa calar sua boca estúpida. O tom de voz lembra um certo deboche.

Cinco minutos – Como cinco é a metade de dez, quando elas dão essa medida exata de tempo, aposte que isso na verdade significa “metade de hora” (meia hora) ou mais…

Nada – ‘Nada’ para elas significa “alguma coisa”, e você provavelmente se ferrou. “Nada” é geralmente usado para descrever o sentimento de raiva quando ela quer espancar você. “Nada” significa um argumento que vai durar “Cinco Minutos”, segundo elas; e terminará com um “Legal”. Se ela falar “Nada” pra você, procure o motivo: ele existe!

Levantando as sobrancelhas-1Vá em frente! (Erguendo as sobrancelhas) – Isso é uma ameaça. Significa que ela está ficando irritada depois de um “Nada”. Isso vai terminar com aquele “Legal” do deboche fingido. E você, mais uma vez, vai se dar mal…

Vá em frente (Com as sobrancelhas normais) – Significa “eu desisto” ou “faça o que quiser porque eu não ligo”. Você escutará um “Vá em Frente com as sobrancelhas erguidas” em segundos, seguido de um “Nada” e um “Legal”. Depois disso, ela vai falar com você em “Cinco Minutos”, mas isso só vai acontecer quando ela se acalmar – o que pode demorar muito mais de 30 minutos…

Suspiro alto – Uma indicação não-verbal, geralmente não compreendida pelos homens. Significa que ela pensa que você é um idiota naquele momento, e fica se perguntando por que ela ainda perde o tempo precioso dela argumentando com um cara como você, isso depois de ter dito um “Nada”.

Suspiro suave – Outra indicação não-verbal. Significa que ela está contente. Não se mova, nem fale. E ela continuará contente.

Tudo bem – Uma das frases mais perigosas que ela pode dizer para você. Significa que ela quer pensar mais e melhor antes de devolver o que você fez na mesma moeda. “Tudo bem” é geralmente usado com a palavra “Legal” e em conjunção com um “Vá em Frente” com as sobrancelhas erguidas. Conclusão: Em um futuro próximo, ou daqui a pouco, você vai estar com sérios problemas.

Mulher dando ordens-1Por favor, faça – Isso é uma oferta. Ela está te dando a oportunidade de vir com qualquer desculpa ou razão por ter feito o que quer que seja. Você tem alguma chance se disser a verdade ou algo que se pareça muito com a verdade. Se ela responder com um “Tudo bem”, você se ferrou. Se sorrir um sorriso aberto mas sem muito barulho, você se safou.

Obrigada – Uma mulher está agradecendo. Não tente “pegar carona” na expressão dela. Diga apenas: “de nada”.

Muito obrigada – É muito diferente de “Obrigada”. Ela só vai dizer “Muito Obrigada” quando estiver muito irritada com você. Significa que você a ofendeu de um modo insensato ou profundo, e será seguido de um “Suspiro Alto”.

Importante: NUNCA pergunte o que há de errado após um “Suspiro Alto”. Ela certamente irá dizer: “Nada”. E você se ferrou.

Chamar você pelo nome inicial: Problemão! Chamar por seu nome inicial acompanhado do seu sobrenome, ferrou-se por inteiro. Sem dúvida você aprontou alguma, e ela vai dar o troco sem você saber. Mas se ela chamar você de “amor”, “beeenhê”, “morzão”, “lindo”, “bebê”, ou coisas do tipo, você está com tudo.

Mulher chamando-1Enfim, aí estão algumas expressões do Dicionário Feminino, as quais, como dissemos, podem ser encaradas com bom humor, mas são de uma seriedade enorme. E pior, mostram o quão complicadas elas são, o quão maquiavélica é a comunicação delas, e o quão traiçoeiro é este tal “jogo da paquera”; e que este ficou assim, tão medonho, por causa delas! Esta pode ser a conclusão do ‘Código Feminino’ para a mulher natural, se você lembrar bem de I Coríntios 2:14-16, seja homem ou seja mulher.

Porém, se você for um homem espiritual ou uma alma espiritualizada, saberá que as expressões dúbias do “Dicionário Feminino” e os subterfúgios típicos da paquera mundana, constituem um convite indireto de Deus (pedindo para você procurar nos lugares certos, as igrejas) e também uma prova de que Cristo, antes mesmo de salvar as almas, leva-as a enxergarem até onde caíram (pelo arrependimento) e o quão difícil não será para se reequilibrarem, se não permitirem que Ele oriente as suas confusas consciências.

 

Sobre John Valente

Prof. John Valente - Especialização: relacionamento conjugal cristão; Formado em Administração de Empresas e Teologia, especializou-se em Ciências da Religião, e participou de diversos cursos e treinamentos na área de relacionamento conjugal, inclusive o Seminário de Relacionamento Afetivo da “Agência de Casamento” que lhe apresentou à sua esposa.
Esta entrada foi publicada em Casamento. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code