Cinco expressões para entender quem são os “assexuais”

Por constituir um Site de cristãos com intenção de promover relacionamento amoroso consagrado a um Deus santíssimo, esta Agência decidiu esclarecer também a questão da existência de pessoas que não priorizam o sexo, pelo contrário, que até o desprezam…

Simbolo da AssexualidadeEles podem ser chamados de “os assexuais”, e já estão aparecendo na mídia de modo mais efetivo, como o leitor pode constatar NESTE link do Yahoo. A leitura do artigo em questão é recomendada para facilitar o entendimento deste post, porquanto ao final a posição deste Site precisa ficar bem entendida, evitando qualquer mal entendimento neste mister.

Iniciamos por evitar algumas ideias erradas que podem ser deduzidas deste post, as quais ensejarão o pior resultado, a saber, confundir o objetivo desta Agência de Matrimônio. As ideias erradas são as seguintes:

1) Esta Agência crê que o sexo foi criado por Deus para o Matrimônio e, como tudo o que vem do Senhor, é uma bênção maravilhosa para a felicidade humana na Terra;

2) Esta Agência crê que a Humanidade se desviou de Deus e, como conseqüência, o pior resultado foi o mal uso das bênçãos divinas, explorando-as apenas para usufruto próprio e/ou fins comerciais;

3) Esta Agência crê que após a Queda humana no princípio do mundo, o sexo foi adulterado ou pervertido, ficando desvirtuada a sua utilização na quase totalidade das vezes;

4) Esta Agência crê que no atual estágio de desvirtuamento do sexo, o propósito da santificação expresso na Bíblia ganhou todos os ares de loucura e absurdo, sendo impossível à Humanidade decaída resistir ao instinto sexual;

Casal frio35) Por isso, esta Agência crê que entre a prática do sexo sem compromisso (ou meramente para usufruto dos prazeres criados exclusivamente para a tríplice união do Matrimônio com Deus – “Casamento-a-Três”) e as formas de abstinência como o celibato ou a assexualidade, estas são preferíveis àquela, pois se aproximam muito mais do padrão de santidade reinante na pátria celestial;

6) Em razão de pensar assim, esta Agência vem esclarecer que não propõe a eliminação do sexo, e sim o seu bom uso, tal como não propõe a eliminação da energia nuclear, e sim o seu uso pacífico.

7) Esta Agência crê que o bom uso do sexo é o que está indicado na Bíblia, a saber, sexo conjugal, após matrimônio na igreja (“Casamento-a-Três”).

Isto posto, e ao tomar conhecimento de um recente estudo sobre a assexualidade humana, esta Agência se adianta para esclarecer que a ausência total de sexo também não é algo sadio como se poderia pensar, embora possa ser feito por gente sadia e bem consciente, sem qualquer trauma ou sequela para outras áreas da vida.

Bíblia para casais

“Bíblia para Casais”, adquiríveis no site do Pastor Malafaia.

Nossa posição aqui, para efeito de discussão sem aprofundamento (o tema da assexualidade ainda é um assunto pouco conhecido), é a de que se considerarmos apenas o estado atual da depravação da sociedade e a ausência de sexo entre os assexuados, esta última postura é preferível, pois entre os assexuados não existem crimes sexuais e outras aberrações altamente condenadas por Deus. Porém não é a ausência de sexo que Deus planejou, pelo contrário, é um sexo tão frequente entre os cônjuges do “Casamento-a-Três” que foi preciso o apóstolo Paulo ‘pedir’ que o marido e a mulher cristãos só se “desgrudem” para orar, e nada mais! (I Co 7,5).

Neste caso, estando bem entendida a nossa posição oficial, vamos refletir um pouco sobre “os cinco aspectos que ajudam a entender melhor a assexualidade” publicado pelo Yahoo neste último dia 27/8/2015. Vejamos:

(1) O estudo científico da assexualidade ainda é muito recente, ele tem cerca de dez anos. Prazer em conhecê-lo. Nós já conhecíamos a assexualidade em animais e plantas, e também entre seres humanos, mas somente entre monges – que renegam a carne – ou pessoas doentes, para quem nenhuma sensação erótica chega ao cérebro, ou cujo cérebro não desperta o corpo para o prazer. Alguém poderia perguntar: e os eunucos? Eunucos não são pessoas doentes nem assexuadas: são almas altamente conscientes e santificadas, cuja entrega a Deus é tão radical que gozam com alegria do prazer de servir a Deus, e não à sua própria carne.

69 praticado por assexuais(2) Calcula-se que aproximadamente um por cento da população mundial seja assexuada. Isto é um número impressionante! Também é um prazer conhecê-lo, porque o mundo atual é tão espalhafatoso em relação à obsessão das massas pelo sexo, que saber que 1% da Humanidade “não tá nem aí” para sexo é uma coisa alvissareira, e nos dá argumento para ver a complexidade do estrago que a Queda adâmica provocou na alma humana, ao ponto de se poder brincar e dizer que “50% da nossa raça perdeu-se no sexo e os outros 50% perdeu-se sem sexo!” (Risos)…

(3) Que a assexualidade não é um distúrbio. Isto é impressionante, e teríamos dificuldade de entender tal expressão se os estudos mais avançados neste área não tivessem respaldo científico, e assim não ficamos longe de admitir que Deus pode ter feito mesmo pessoas para quem a “ausência total de atração sexual por outrem” não é uma patologia herdada da Queda, embora a Psicologia sempre alegue que quando a energia sexual não é liberada para a sexualidade, ela é sempre recompensada com fobias e outras anomalias psíquicas dramáticas, e muitas vezes incuráveis;

Placa da Assexualidade(4) A evidência sugere que essa é, de fato, uma orientação sexual diferente. O fato de não ser um distúrbio, justamente por não provocar nenhum transtorno aos que a alegam e nem alguma patologia derivada, a assexualidade é tomada como uma orientação sexual diferente, embora a expressão “orientação sexual” não se coadune logicamente com as Escrituras Sagradas. Para a Palavra de Deus, o sexo foi “pré-estabelecido” pelo Criador para cumprir duas funções precípuas, a saber, a preservação da espécie e a união profunda entre um homem e uma mulher, unidos em matrimônio. Com efeito, não há orientação sexual alguma aqui, a não ser o planejamento da criação por Deus e a saúde da Natureza cumprindo seu papel natural, de fazer atrair um homem e uma mulher para formarem uma família.

(5) Não há nada de errado com a anatomia dos assexuais. Essa era previsível, pois quando a assexualidade é vivida sob outras hipóteses, o indivíduo assexuado se sente frustrado e infeliz, não raro apresentando distúrbios, sejam físicos ou psicológicos. O assexuado, ou melhor, o assexual propriamente dito, é um cara bem resolvido, convivendo bem com seu corpo e emoções, e não é exagero dizer que se ele se converter a Jesus Cristo, possa se tornar literalmente um exemplo de santificação, ajudando seus irmãos de fé a sofrearem seus instintos sexuais e optarem por um discipulado onde o sexo só aconteça de fato após o “Casamento-a-Três”.

Finalmente, acreditamos que repassar estes conhecimentos com a ajuda dos estudos do professor Bogaert (divulgados em resumo na matéria do Yahoo) preenche uma lacuna incomum e rara na compreensão da sexualidade humana (a assexualidade faz parte da sexualidade), ajudando jovens e adultos cristãos a ver mais longe os propósitos de Deus na criação, certamente valorizando a sexualidade sadia do plano original do Criador. No mínimo este conhecimento serve à missão individual de atender ao apelo do Evangelho, pois oferece muito mais razão para evangelizar compreendendo melhor o estado geral em que ficou a Humanidade, sempre carente da cura e da santificação divina.

Sobre John Valente

Prof. John Valente - Especialização: relacionamento conjugal cristão; Formado em Administração de Empresas e Teologia, especializou-se em Ciências da Religião, e participou de diversos cursos e treinamentos na área de relacionamento conjugal, inclusive o Seminário de Relacionamento Afetivo da “Agência de Casamento” que lhe apresentou à sua esposa.
Esta entrada foi publicada em Casamento. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Uma resposta a Cinco expressões para entender quem são os “assexuais”

  1. Artchoke disse:

    “assexuado” 1% da população tá fazendo jutsu das sombras kkkkk

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code