Atitudes corretas para a jovem cristã decidir se um cara vale a pena

Com base numa recente postagem na WEB, este Site vem ensejar uma comparação salutar entre o que propõe este mundo perdido, e o que diz a Palavra de Deus para as moças crentes.

Atitudes da moça cristã na paqueraAjudados pela tresloucada ideia mundana de liberdade, os atuais “orientadores” das mulheres solteiras não possuem nada na cabeça que caracterize qualquer código moral decente, e creem mesmo que qualquer regra moral é estraga-prazeres e inimiga da felicidade terrena, coroando sua ignorância com toda a malícia de pensar instigado pelo instinto sexual, e não pelo espírito.

Afinal, quem nunca foi devidamente apresentado à Moralidade cristã não poderia mesmo tirar bom proveito dela, e tenderia, em vista da influência da mídia imoral, a pensar que aquilo tudo é pieguice e inadequação aos novos tempos. Como já pontuamos noutro post (veja AQUI), a intenção final e secreta de todos os “modismos sexuais” não passa de um “remake” das velhas práticas condenadas em Sodoma e Gomorra, e o desejo implícito é sempre o sexo explícito, se possível público, promíscuo, lascivo, desregrado, coletivo e até incestuoso.

Conscientes dessa triste realidade, este Site “Casamento-a-Trêstem como regra nadar contra a correnteza da depravação, oferecendo aos jovens e sobretudo às jovens solteiras uma opção decente no romantismo tradicional de homem e mulher, com o mesmo espírito de sinceridade e ética de jornalistas como e corajosa Rachel Sheherazade e a linda Joice Hasselmann (foto abaixo).

Raquel Sheherazade e Joice Hasselmann2Neste mister, após colher 7 regras dadas por uma matéria veiculada pelo “Yahoo Vida & Estilo”, nos programamos para oferecer, sem papa na língua, os caminhos opostos para a decisão da mulher cristã solteira, tendo em vista talvez o pouco estudo de Paquerologia dado pelas igrejas, abarrotadas de preocupações, e sempre priorizando a evangelização – quando a igreja é de fato divina – ou a coleta de dízimos e ofertas (quando a igreja ainda não foi salva de seu próprio engano!).Isto posto, sugerimos o(a) leitor(a) a ler primeiro o post citado (veja AQUI) e depois as nossas orientações com base no estudo da Palavra de Deus. Assim sendo, solicitamos encarecidamente à jovem cristã que compare as regras mundanas da paquera com as regras bíblicas, como dever de coerência para com a sua conversão ao Senhor Jesus. Veja:

AS REGRAS MUNDANAS SÃO:

  1. Você não deve esperar eternameeeeeente o boy te chamar para sair.
  2. Ou pior: você não deve recusar os primeiros convites para fazer charme.
  3. Você não deve rachar a conta do restaurante, do teatro ou de qualquer diversão.
  4. Você não deve ocultar uma opinião sua que você acha importante.
  5. Você não deve pensar em não dormir junto no primeiro encontro para não parecer ‘fácil’.
  6. Você não deve apostar que ele vai levar a camisinha (tenha sempre uma consigo).
  7. Você não deve “se segurar” para mandar uma mensagem no dia seguinte.

Viu os absurdos elencados aí? Viu mesmo? Pois bem. AS REGRAS BÍBLICAS são as seguintes (primeiro em resumo, e depois explicadas):

Colar ouro com diamantes de amor(1) Não há razão alguma para não esperar o cara te chamar; afinal o que Deus quer lhe dar é eterno e é o homem que tem que demonstrar seu interesse como sinal de que de fato gostou de você, com um amor preconcebido para compromisso sério.

(2) Sim, você pode e deve recusar os primeiros convites dele, para testar se o que ele está sentindo é apenas fogo de palha ou se é a emoção sólida do amor verdadeiro.

(3) Se você não estiver tão lisa, ofereça-se para rachar a conta do passeio ou do restaurante, pois isso além de adicionar um pouco de frieza salutar às intenções dele, provará para seu futuro namorado que você é uma mulher especial, que sabe se sustentar e poderá dividir as futuras despesas de um lar.

(4) Procure ouvi-lo mais, sempre e sempre, mas sobretudo no início da paquera, quando você mal conhece o cara e precisa muito mais conhecê-lo do que se dar a conhecer. A regra de ouvir bem é sempre a prioridade número 1 em todas as relações, e foi recomendada pelo próprio Deus, até para a nossa salvação (Romanos 10,17 e Tiago 1,19).

(5) Se notar qualquer insinuação de sexo precipitado, fuja deste cara: não pode ser um bom crente e provavelmente numa se converteu de nada!

(6) Acredite, mas sem ingenuidades, que ele pretende levar um namoro até o casamento, como orienta a Bíblia. Se a conversa indicar qualquer sinal de paquera apenas para se divertir, caia fora!

Nem pensar em ligar pra ele1(7) Não o procure no dia seguinte, e muito menos lhe ligue ou mande mensagem. Nem pensar! Quem faz isso não é uma boa crente, e pior, passa a idéia de “desespero”, e isto, em sua idade (se você for nova, i.e., até 29 anos), leva à imediata conclusão de que você deve ter um defeito muito grande para já estar desesperada para conseguir um namorado, e deve ter perdido muitos outros por causa desse defeito. Se tiver mais de 30, ele imediatamente pensará que seu desespero esconde um defeito muito maior, e foi por este defeito que você não conquistou ninguém até agora. É isso.

Enfim, aí estão as duas séries de regras da Paquerologia, nos sete itens propostos pelo post do Yahoo, colecionadas uma após a outra para você fazer a sua precisa comparação. E vá mais além: o ideal é ouvir a sua mãe ou a pastora de sua igreja, pois elas certamente serão as duas consciências mais abalizadas para lhe dirimir as dúvidas comuns às jovens crentes na questão da paquera. E não recue de seu propósito nem um milímetro, mesmo que algum gaiato lhe diga que consultar a mãe, a avó ou a pastora é uma tremenda babaquice! Ao contrário: não caia na conversa dos verdadeiros babacas libidinosos, que só estão interessados em mocinhas fáceis e infelizmente são muito comuns nas igrejas pós-modernas! Isto faz a ajuda aqui sugerida muito mais necessária do que a princípio parecia. Um dia você agradecerá de coração à sua mãe ou à sua pastora. Que Deus lhe oriente e lhe proteja.

 

Sobre John Valente

Prof. John Valente - Especialização: relacionamento conjugal cristão; Formado em Administração de Empresas e Teologia, especializou-se em Ciências da Religião, e participou de diversos cursos e treinamentos na área de relacionamento conjugal, inclusive o Seminário de Relacionamento Afetivo da “Agência de Casamento” que lhe apresentou à sua esposa.
Esta entrada foi publicada em Casamento. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code