A influência dos corpos na “paquerologia”

A Linguagem Corporal malinterpretada na atualidade pode ser o grande desastre relacional do Homem moderno, cujos instintos inflamados não mais permitem ao cérebro enxergar outra coisa que não a anatomia feminina.

Como a anatomia influencia-1Infelizmente vivemos uma época decadente e corrupta, na qual até as coisas mais essenciais do puro ato de amor, são entendidas apenas como símbolo sexual ou imoral na escalada da libertinagem sem freio. Aquilo que Deus criou para converter em sua honra e glória foi adulterado, mesmo quando seu significado é óbvio e explícito, como a beleza da mulher e a sua diferença de força física em comparação com o macho. Ambas as coisas têm sua função criacional e só uma sociedade degenerada poderia alterar as coisas para a pura e simples exploração do prazer, como explicamos no artigo intitulado “Porque o prazer sexual não pode ser egoísta”.

O que aqui vamos tratar pode ser dito como algo que remonta ao passado mais longínquo da Humanidade, porque desde a pré-história a forma física dita as regras da relação amorosa, e assim deveria ser para todo o sempre se Deus não tivesse levado o Homem e a Mulher à Evolução, e com ela chegasse à definir a espiritualidade como mecanismo prioritário da mente humana. Assim, por óbvio, se um ser amadurece ao ponto de receber de Deus o sopro do Espírito, seria mais que lógico o Criador esperar que suas criaturas evoluídas pensassem com a cabeça, e não com os instintos animalescos, inexoravelmente assumidos com o desuso da Razão.

Adolescentes paquerando-1Não que o homem, enquanto macho, não se utilizasse do caráter sedutor da beleza da mulher, até porque esta foi criada por Deus justamente para inflamar o interesse masculino, como acontece na fauna em geral com a maioria dos animais superiores. Isto é tanto que até a comunicação humana para outros fins também se beneficia da forma não verbal (em torno de 93%), e mais da metade é feita por meio de sinais em nosso corpo, como posturas, expressões faciais e gestos.

Logo, tendo a linguagem corporal como aliada da Razão, homens e mulheres podem e devem “se estudar” bastante nos primeiros encontros do jogo da paquera, pois as expressões, posturas e gestos poderão ajudar o suficiente para que cada um distinga o objetivo do pretendente ou da pretendente, e esta análise é essencial para se iniciar um namoro cristão. Veja bem…

Em se tratando do modo feminino de se expressar para uma paquera decente, a linguagem corporal é um trunfo poderoso. A simples maneira como a jovem crente se veste já praticamente diz tudo dela, e este detalhe pode adiantar bastante as coisas, para o bem ou para o mal, dependendo do grau de interesse de se obedecer a Deus ou não.Casal feliz correndoNo mundão, as mulheres são mestras em usar pernas nuas, olhar erótico, linguajar depravado, mordida no lábio inferior, enfim, o arsenal é grande, mas não serve como exemplo. A moça crente deve, conhecendo a conduta das mundanas, mostrar outra forma de seduzir, muito mais espiritual e interior do que estas formas explícitas de rebaixamento da honra. Até em corridas à beira-mar, vestidos mais longos caem bem. E os homens crentes não deveriam estar muito atentos aos sinais não-verbais, preferindo usar mais os ouvidos do que os olhos! Tiro certo!

Portanto, se alguém perguntar se a linguagem corporal influencia a paquera, é óbvio que a resposta é sim, mas a moça crente e o jovem crente devem se utilizar decentemente da função divina da linguagem corporal, selecionando o jovem ou a jovem que melhor reflete a santidade, e repelindo aquele ou aquela que aparentam mundanismo e depravação.

Como exemplo, veja em relação à forma de sentar: o jovem crente deve reparar na postura e na forma como a jovem se senta, mas sem estar procurando “brechar” a moça; a qual, por sua vez, sendo cristã, se sentará de tal modo que não dará brecha alguma para sua calcinha. Isto pode ser chamado de elegância, de virtude e até de “ter atitude”, mas seu trunfo mesmo é “fugir da influência da moda”.

Adolescentes estudiosos-1Para as moças crentes, saber quando o homem está interessado também se dá por conta da “postura” dele, por exemplo: se ele gosta de conversar a sério, se ele aprecia assuntos e temas espirituais, se comenta filmes religiosos, se fala sobre a Bíblia, sobre seu trabalho, se expressou-se a favor do casamento tradicional, enfim, coisas que têm um peso muito maior do que ter ficado de pé para mostrar a altura dele, do que ter movimentado demais os músculos do braço para exibir seu físico, do que ter trazido algo de seu trabalho para impressioná-la, do que ter usado uma camiseta colada, enfim, do que ter feito qualquer coisa com gestos corporais. Sua avaliação deverá se pautar sempre dando peso muito maior às virtudes espirituais dele (inteligência, caráter) do que aos seus bíceps.

Percebe? Tudo isso até agora foi relativo à postura exterior, que os crentes devem entender como válida apenas sob o prisma da espiritualidade detectada. Quando a visão não conseguir captar nenhum sinal de conversão, o melhor mesmo é dar o fora e esperar outra vez em Deus (i.e., esperar que Deus aponte outra mulher). Entender isto influencia muito no bom resultado da paquera, se você de fato pertence ao Senhor Jesus. Não deixe nada atrapalhar o início de seu namoro espiritual, assim como nada deve interferir para estragar o dia de seu “Casamento-a-Três”.

 

Sobre John Valente

Prof. John Valente - Especialização: relacionamento conjugal cristão; Formado em Administração de Empresas e Teologia, especializou-se em Ciências da Religião, e participou de diversos cursos e treinamentos na área de relacionamento conjugal, inclusive o Seminário de Relacionamento Afetivo da “Agência de Casamento” que lhe apresentou à sua esposa.
Esta entrada foi publicada em Casamento. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Uma resposta a A influência dos corpos na “paquerologia”

  1. Parabéns,pela publicação muito atual,para todos nos.Pois vivemos um momento complicado dos relacionamento,entre homens e mulheres para a vida a dois,ou seja casamento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code