A infidelidade aparece e parece aprovada por todos!

Um Site de Relacionamento considerado “o nome mais famoso no mundo da infidelidade e namoro extraconjugal” foi hackeado, e com isso os seus dados chegaram ao grande público. A surpresa: a perplexidade com a aprovação subentendida numa sociedade amante da hipocrisia.

Descubra como cada signo lida com a traiçãoEm excelente artigo para o Yahoo, Danilo Barba põe em evidência aquilo que este Site vem dizendo desde que foi fundado, a saber, que a infidelidade conjugal não é apenas um lance casual motivado por desejos reprimidos ou infelicidade a dois, mas uma atitude deliberada, pensada e contumaz de homens e mulheres de mau caráter, e por isso mesmo incompatíveis com o Cristianismo (embora ali, estranhamente, tenham-se constatado traições de homens e mulheres supostamente cristãos, ou até gente que tem conta no Vaticano! Pode?). Isto é mesmo o fim!

Guardando para si este paradoxo infeliz, o Site “Casamento-a-Três” se vê com a estranha e irônica alegria de se perceber detentor de uma diretriz radical e única, com a qual está agora cada vez mais convencido de seu caráter diferenciado, figurando neste mundo e nestes tempos loucos como uma luz no fim do túnel, apontando um caminho a cada dia mais raro (a saber: uma proposta de relacionamento amoroso decente, onde a moralidade e o compromisso com Deus são a bola da vez, e onde qualquer indício de infidelidade é condenado, mesmo quando no início do processo, quando um mero sinal de desejo extraconjugal aparece na mente do homem e da mulher casados na igreja).

Encarando este diferencial com altivez e radicalidade, consciente de que se o mundo inteiro demonstra acatar a infidelidade como uma opção viável (na maioria das vezes escondida, mas intimamente aceita), seu público-alvo é cada vez menor, como também parece cada vez menor o número de cristãos verdadeiramente cristãos, no sentido de terem assumido de vez a sua entrega a Cristo, no seu chamamento mais radical, quando disse: “aquele que quiser me seguir, a si mesmo se negue, tome a sua cruz e siga-me”.lobo-ovelhaPorquanto tudo está a indicar que ser cristão hoje (evangélico ou católico) tornou-se uma falácia das mais fantasiosas, em que o padre ou o pastor fingem que não veem e os crentes fingem que são crentes, quando o assunto é sexo fora do casamento (o motivo do pastor é não perder ovelhas, e o motivo destas é não perder a libertinagem, que “dá prazer e compensa as tristezas da convivência com um mundo caótico”). Assim sendo, vestir a pele de ovelha para cobrir um “lobo metrossexual” parece agora coisa chique!

Ou seja, ninguém está mais nem aí para o ensino claro do Evangelho, que não tolera qualquer condescendência com o pecado, apresentando até aquilo que chamamos de “O radicalismo bíblico na intolerância ao pecado”. A prova é tanta que agora, recentemente, o Papa Francisco vem de orientar (veja AQUI) aos padres a atitude de perdoar as mulheres que fizeram aborto, desde que elas estejam de fato arrependidas, e aqui está o nó cego desta geração perversa e corrupta. Sabe por quê?

Papa Francisco bate pesadoPorque tão logo o Papa deu esta orientação, a sociedade imediatamente assumiu que o Papa perdoou as mães que assassinaram seus filhos intra-uterinos, como se o pontífice estivesse dizendo que não houve pecado algum, e que abortar é um direito da Mulher! Veja o leitor que o Papa enfatizou bem a questão do ARREPENDIMENTO genuíno em confissão, não deixando espaço para qualquer outra hipótese neste perdão, como de resto acontece com todos os outros pecados, pois NEM DEUS PERDOA SEM ARREPENDIMENTO! (Veja um vídeo nosso sobre este tema NESTE link).

Logo, tudo isso é a prova de que estamos numa época de total desregramento, não restando praticamente mais nenhuma instância onde a Moral seja respeitada, e por isso o Site “Casamento-a-Três” dificilmente terá popularidade, exceto no meio dos cristãos verdadeiramente cristãos, para os quais a espiritualidade transcende até as diferenças doutrinais entre as denominações.

Repassemos as precisas e fulminantes deduções do articulista Danilo Barba. Ele enumerou 7 conclusões a que poderíamos chegar. São elas:

  1. Um monte de gente comete adultério (ou quer trair);
  2. A infidelidade não é uma coisa que simplesmente acontece;
  3. As pessoas infiéis são calculistas;
  4. Um montão de gente trai durante o horário de trabalho;
  5. Você não é uma pessoa ruim por desconfiar;
  6. Religião não isenta ninguém do pecado;
  7. Traição não causa tantos divórcios quanto você imagina.

Comentamos cada um em breves palavras, agora:

Traição na cama-31. Um monte de gente comete adultério (ou quer trair): Já falamos sobre isso. Aqui está a nossa tristeza de constatar que tudo indica que a infidelidade não é um fenômeno isolado e execrável, mas sim uma atitude calculada e perfeitamente aprovada, seja pelo traidor ou pelo traído ou pela sociedade inteira. I.e., trair é chique, é glamouroso, virou moda, e moda elegante! Não me venham arregalar os olhos as madames tidas por horrorizadas com esta sentença, pois nem elas mesmas conseguirão provar que, em casos extremos (só elas entenderão quais casos são estes), não pensaram sim em enfeitar a cabeça de seus maridos igualmente infiéis!

2. A infidelidade não é uma coisa que simplesmente acontece: Já falamos acima. Só um adendo: isto se presta a deduzir outras vertentes da mesma sexualidade depravada de hoje: que qualquer pessoa, de qualquer personalidade, dará a desculpa de que o sexo é irresistível quando seu pecado for descoberto, e por isso dirá sem medo que fez uma opção consciente porque a carne é fraca!

Revista com a traição de Kristen Stewart3. As pessoas infiéis são calculistas: Também já esboçamos nosso espanto a respeito. E aqui nosso replay servirá apenas para alertar àquelas pessoas que teimam em se escandalizar quando sabem de alguma traição (dos outros ou delas mesmas), como se o marido ou elas mesmas tivessem pulado a cerca “sem querer”, ou casualmente, e não conscientemente e dolosamente. Lembram do caso de Kristen Stewart e Robert Pattinson? Por que vocês acham que ele a largou de vez? É claro que ele sabe que traição não é hipnotismo, é semvergonhice consciente.

4. Um montão de gente trai durante o horário de trabalho: sem comentários! Só deveria ter sido “menos exagerado” e dizer: Um montão de gente trai durante QUALQUER horário!

5. Você não é uma pessoa ruim por desconfiar: Este ponto é importantíssimo! Prova que de fato é a sociedade inteira que está doente, usando a sexualidade como regra de vida, tal como os políticos corruptos usam a corrupção como regra oficial e sistema endêmico de negociação! I.e., como todo mundo trai todo mundo, ninguém deve ser considerado ruim porque não confia! Pelo contrário: é bíblico, e o Velho Testamento já dizia: “Maldito o homem que confia no homem”.

Religiosos infiéis6. Religião não isenta ninguém do pecado: esta é de lascar! Aqui está a chave-mestra desta engrenagem diabólica! O sentido exato seria: “nem mesmo os que se dizem crentes são fiéis!”. A religião não tem nada a ver com isso, a não ser no fato de que tem falhado na evangelização e admoestação de seus membros, permitindo que sejam considerados cristãos as figuras mais falsas do planeta, que muitas vezes se utilizam da imagem da igreja para conseguir intimidades pecaminosas! Isto gera um terrível problema para nós do “Casamento-a-Três”: Como confiar que um crente interessado em se inscrever conosco, não passe de um espertinho com a braguilha aberta?

7. Traição não causa tantos divórcios quanto você imagina: É duro ouvir isso! Mas endossa a prova de que é a sociedade inteira que está acatando a semvergonhice de seus infiéis, e a tristeza de constatar que as pobres esposas cristãs decentes terminam por aguentar viver com seus maridos traidores, como num ato de renúncia à própria felicidade, e na esperança de “consertarem” seus maridos com suas orações. É isso.

Só resta parabenizar o Danilo Barba por ter captado com precisão cirúrgica as conclusões impopulares de sua leitura da denúncia contra o Site “Ashley Madison”. Viva o “Casamento-a-Três”!

Sobre John Valente

Prof. John Valente - Especialização: relacionamento conjugal cristão; Formado em Administração de Empresas e Teologia, especializou-se em Ciências da Religião, e participou de diversos cursos e treinamentos na área de relacionamento conjugal, inclusive o Seminário de Relacionamento Afetivo da “Agência de Casamento” que lhe apresentou à sua esposa.
Esta entrada foi publicada em Casamento. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code